Como ser Assistente Virtual

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Uma das profissões do momento, em Portugal e por todo o mundo, é a de Assistente Virtual. 

Se até há pouco tempo pouco se falava desta profissão e até desta possibilidade, o certo é que hoje em dia são cada vez mais as pessoas interessadas neste tema – seja porque desejam trabalhar como assistentes virtuais, seja porque desejam contratar um. 

Neste artigo, vamos falar sobre o que é um assistente virtual e tudo o que precisas de fazer para te tornares um(a). 

Índice:

    1. O que é um Assistente Virtual
    2. O que faz um Assistente Virtual
    3. Passo-a-passo para ser Assistente Virtual

 

O que é um Assistente Virtual

Um assistente virtual é um profissional que está ao serviço de outros empreendedores e empresas, desenvolvendo tarefas de apoio administrativo, financeiro ou técnico. 

Com este apoio, os empreendedores ficam mais livres para se focarem na sua zona de génio e no crescimento dos seus negócios. 

Muitas vezes a assistência virtual é comparada às profissões de assistente pessoal ou de secretária. Esta definição ou comparação pode ser insuficiente em alguns casos, ainda assim vale lembrar que uma das principais diferençais é o facto de o trabalho ser realizado de forma remota.

 

O que faz um Assistente Virtual

De uma forma geral, um assistente virtual está apto a desenvolver qualquer função de suporte que não implique a presença no escritório da empresa/ empreendedor, como por exemplo:

  • Organização de agenda
  • Inserção de dados (em documentos, planilhas, bases de dados, etc) 
  • Organização de arquivos digitais
  • Gestão de correio eletrónico
  • Criação de documentos, relatórios e apresentações
  • Criação e gestão de contas em redes sociais
  • Elaboração de pesquisas
  • Reservas online
  • etc.

 

Passo-a-passo para ser Assistente Virtual

Se depois do que leste continuas com vontade de ser Assistente Virtual, seguem os passos que deves seguir para criar o teu projeto e avançar com este projeto profissional:

 

1 – Conhece-te

Auto-conhecimento é fundamental na hora de avançar com qualquer projeto pessoal. No caso da assistência virtual, precisas de conhecer:

  1. As tuas competências e habilidades pessoais 
  2. Os teus pontos de destaque e os pontos de melhoria enquanto profissional 
  3. O tipo de cultura empresarial onde te sentes mais realizado
  4. O valor que pretendes oferecer aos outros

 

2 – Aposta em Formação 

Com uma profissão que se enquadra num paradigma diferente daquele que ainda estamos habituados, fazer formação inicial é a oportunidade para esclarecer todas as dúvidas que ainda possas ter, compreender o contexto da assistência virtual em Portugal, desenvolver competências técnicas e traçar um plano de ação. 

O treino irá fazer toda a diferença no sucesso a longo prazo e na estabilidade do negócio, além de proporcionar a confiança necessária para avançar. 

Ao longo do percurso a formação também é muito recomendável. Ainda que possa parecer descabido à primeira vista, sabemos como, em qualquer contexto e profissão, é a aposta em formação contínua que permite a melhoria e desenvolvimento de competências e a evolução do profissional. 

Depois de iniciar o trabalho com clientes, vais perceber que, como Assistente Virtual, esta necessidade também vai estar presente: e ainda bem, a melhor aposta que podes fazer é sempre em Ti!

 

3 – Define o cliente-ideal

Se trabalhar como assistente virtual é sinónimo de liberdade, é importante reforçar que és tu o responsável por manter essa liberdade. Trabalhar com clientes que se enquadram no teu cliente-ideal é uma das formas de o fazer. 

Para este passo é essencial pensar (e escrever) nas características demográficas e comportamentais que procuras no teu cliente-ideal:

  • Qual a faixa etária? 
  • Qual a sua ocupação? 
  • Qual a sua localização/local de residência? 
  • Quais os seus hobbies e interesses?
  • Quais os eventos que gosta de participar? 
  • Qual a sua rotina? 
  • Quais os desafios profissionais que enfrenta? 
  • Quais os seus maiores medos? 
  • Qual o seu maior sonho? 
  • De que forma os seus serviços o podem ajudar?

Sou da opinião que o cliente-ideal deve ser validado com uma pesquisa de mercado que te permita entrar em contacto com alguns profissionais que se encaixam na descrição a que chegaste. 

Por isso, sugiro sempre aos formandos que falem com (pelo menos) 10 pessoas que se enquadram no seu público-alvo, de modo a validar não apenas as característica, medos e ambições deste público, mas também se conhecem e valorizam o apoio de Assistentes Virtuais.

 

4 – Define o teu preço 

Com todas as informações que já recolhesse até aqui, já és capaz de compreender o valor que vais acrescentar aos teus clientes. 

Definir o teu preço com base nesse valor acrescentado tem várias vantagens:

  • Vais sentir-te confortável na hora de falar do preço dos serviços 
  • Vais sentir-te recompensado na hora de receber os pagamentos 

Além disso, será também mais fácil para o teu cliente pagar o valor dos teus serviços – afinal a percepção que vais passar é a de um preço justo para o trabalho que desenvolves. 

Estratégias de preço mais baixo ou preço igual ao das concorrentes que conheces podem-te parecer a melhor opção para iniciares a tua atividade, contudo estou certa de que compreendes que não são estratégias que garantam estabilidade ao teu negócio. 

Se não sentires que o preço que recebes pelo trabalho que fazes é justo, entrar em desmotivação é fácil e trabalhar com brio e de forma profissional pode ser um grande desafio… 

 

5 – Comunica 

Se és o teu próprio patrão e a tua própria marca, sabes que tens tudo nas tuas mãos – inclusivé dar-te a conhecer! 

Recebo muitas perguntas relacionadas com este tema, sobre a melhor forma de comunicar e de chegar aos “clientes certos”. 

Não acredito numa estratégia única. As tuas decisões sobre a comunicação devem encaixar no ADN da tua marca, nas tuas características e objetivos, considerando sempre onde está o teu público presente. 

Há várias opções viáveis e que podem passar por:

  • Criar um perfil no LinkedIn (ou otimizar o teu, se já tens) 
  • Criar um website para divulgação do teu projeto e partilha de conteúdos úteis para o teu público 
  • Responder a anúncios em plataformas de contratação (aqui encontras uma lista de sites onde podes procurar trabalho enquanto freelancer)
  • Informar a tua rede de contactos (familiares, amigos, colegas de trabalho, etc) sobre a tua nova profissão e pedir ajuda na divulgação do teu projeto
  • Participar em meetups e encontros de networking na tua região 
  • Criar um perfil na rede social mais usada pelo teu público e utilizar uma estratégia de conteúdos diferenciada e que lhes acrescente valor 
  • Enviar uma apresentação ou proposta para empreendedores e empresas com quem gostarias de trabalhar 

 

Agora que já sabes o que fazer para te tornares assistente virtual, cria a tua checklist de tarefas e avança

Criar a tua realidade profissional só depende de ti. Se gostavas de ter a nossa ajuda para materializar o teu projeto, clica aqui e entra em contacto connosco