Sabes que pontos considerar na tua gestão financeira como empreendedor?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Não é possível falar em empreender sem falar em planeamento, análise e controlo financeiro. Do negócio mais simples ao mais complexo, será de extrema importância pensar com cuidado na sua estrutura financeira.

Deixo aqui alguns dos pontos que considero serem os essenciais a ter em consideração na gestão financeira como empreendedor.

1 – Planeamento

O planeamento financeiro começa com o planeamento do negócio. 

Com isto quero dizer que, quando pretendemos lançar-nos numa nova atividade – seja ela trabalhar como freelancer ou criar uma empresa – é a ideia de negócio que nos vai direcionar para o tipo de estrutura de custos que vamos ter

Ao construir o nosso Business Plan vamos traçar o mapa do nosso negócio: 

  • Vamos pensar sobre o que pretendemos oferecer, 
  • Para quem, 
  • O que vamos acrescentar aos nossos clientes com o nosso produto / serviço, 
  • Que solução temos para oferecer,
  • Como vai a minha empresa comunicar o que faz. 

Os passos seguintes da construção de um modelo de negócios serão dedicados à área financeira e vendas.

Ou seja, depois de pensarmos em tudo o que queremos / temos para oferecer aos nossos clientes, vamos começar a fazer contas e a planear:

  • Quanto teremos que investir para pôr o nosso negócio em prática, 
  • Que despesas teremos (com ou sem vendas),
  • Quais as despesas que vamos ser obrigados a fazer para vender.

Só com esta imagem bem clara conseguiremos então planear onde queremos que o nosso negócio esteja a curto, médio e longo prazo. Não basta apenas ter a visão, mas também como vamos materializar os passos que temos que dar para a concretizar.

O planeamento é essencial em qualquer gestão financeira pois baliza-nos e dá-nos perspetiva. 

2 – Separação das despesas pessoais das profissionais

É essencial sublinhar a importância da separação do que são contas pessoais e contas relativas à atividade profissional. 

Embora parecendo uma coisa simples e algo óbvia, muitas vezes e com negócios pequenos, caímos na tentação de não fazer esta separação o que, a médio/longo prazo, nos pode vir criar alguma desorganização ou dissabores pois nunca conseguimos ter uma visão concreta do ponto em que nos encontramos. 

Acabamos por utilizar dinheiro da atividade para colmatar despesas pessoais (ou vice-versa) e um dia chegamos ao ponto de não perceber mais que dinheiro pertence a quê.

Esta separação feita desde cedo ajuda-nos:

  • A manter o absoluto controlo dos rendimentos que a nossa atividade gera (ou não), 
  • A ter clara noção das suas despesas .

Desta forma conseguimos perceber o que estamos a fazer bem, que correções precisamos fazer e ainda  se estamos alinhados com o nosso planeamento inicial e quando estaremos preparados para investir ou fazer a nossa atividade crescer.

3 – Controlo

O controlo poderá ser a chave para o sucesso do nosso negócio. Com regularidade, é importante fazer um controlo de tudo o que está a acontecer na nossa atividade:

  • Quantos clientes temos,
  • Em quantos prospetos / leads estamos a trabalhar,
  • Quantos deles contratam os nossos serviços,
  • Quais os rendimentos que temos obtido,
  • Quais as despesas que temos. 

Este controlo vai ajudar-nos:

  • A saber quanto dinheiro fazemos com o nosso negócio, 
  • Quanto gastamos,
  • Quanto nos sobra para reinvestir,
  • Com quanto ficamos como rendimento efetivo. 

Ajuda-nos também a refletir sobre o que poderá ou não estar a correr bem e reagir com rapidez para implementar quaisquer correções necessárias ou até perceber o que temos que continuar a fazer para crescer ou obter mais lucros. 

Relativamente a um controlo mais contabilístico, embora numa fase inicial possamos ter uma estrutura de custos simples, recorrer a um contabilista é a melhor opção sempre que temos duvidas ou dificuldades com questões mais técnicas.

4 – Informação

Embora numa fase inicial nem sempre seja necessário muito para uma boa gestão financeira, não é demais frisar a importância de estarmos bem informados relativamente a todos os ângulos do nosso negócio. 

Hoje em dia temos acesso a quantidades massivas de informação na Internet e, embora muita não seja de qualidade, também se encontram conteúdos ótimos pelo que o mais difícil, por vezes, é fazer essa triagem.

Uma das questões mais importantes relaciona-se, claro, com as obrigações fiscais que teremos que cumprir…

 Será de extrema importância  estarmos bem informados sobre estas questões e, sempre que seja necessário e possível, procurarmos formação sobre estes (e outros) temas que impactem a nossa atividade (cursos básicos de contabilidade ou finanças para empreendedores, por exemplo). 

Finalizando, importa frisar que há soluções adequadas a qualquer tipo de budget. 

A gestão financeira do nosso negócio é algo que pode ser feito com recurso a ferramentas muito simples e que não pode ser descurada.

Bons negócios!