Como pode um Assistente Virtual ajudar uma Startup

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Iniciar uma startup pode ter tanto de bom como de desafiante… Para o fundador este passo significa, de certo, a felicidade e o orgulho de avançar com a ideia de negócio dos seus sonhos e de fazer nascer o negócio que idealizou. Por outro lado, é uma grande responsabilidade, requer disponibilidade, perseverança e investimento, quer de dinheiro, quer de tempo.

Numa fase inicial, e para reduzir custos, muitos são os empreendedores que assumem diversas funções dentro do seu negócio, desde CEO, a marketer, administrativo e até estafeta, se for necessário. Esta decisão representa uma enorme quantidade de tarefas diferentes para executar diariamente, com uma série de prazos a cumprir, podendo não ser, a médio prazo, a melhor decisão para um empreendedor que pretende desenvolver e materializar a sua ideia de negócio. 

Esta realidade, que muitos fundadores de startups vivenciam, pode fazer com que se sintam sobrecarregados e que inclusivé comecem a sentir-se desmotivados e questionem se estarão mesmo no caminho certo…

É aqui que podemos falar de um assistente virtual. 

Delegar tarefas a um assistente virtual pode ser uma boa oportunidade para estes fundadores de startups, uma vez que o assistente virtual está apto a desenvolver uma série de tarefas, permitindo ao empreendedor dedicar o seu tempo à vertente estratégica de desenvolvimento e expansão do seu negócio. 

Tarefas que pode delegar a um Assistente Virtual

Cada assistente virtual define os seus serviços, em função da sua formação e experiência e, no geral, está preparada para desenvolver diversas tarefas, conseguindo adequar os seus serviços àquelas que são as reais necessidades do seu cliente, dentro, claro, das suas próprias competências.

Quando focamos na realidade de uma startup, podemos genericamente dizer que uma das suas dificuldades iniciais é a entrada e integração no mercado, isto é, a obtenção de reconhecimento e credibilidade junto do seu público-alvo.  Um assistente virtual pode, neste contexto, realizar as seguintes tarefas:

  • Criação de conteúdo – Vivemos na era do marketing de conteúdo e este tem-se mostrado cada vez mais uma forma de criar uma rede de seguidores e de captar potenciais clientes. Um assistente virtual pode desenvolver todo o trabalho de pesquisa e criação de conteúdo original que seja útil e interessante para o público-alvo da startup , ajudando assim a posicionar-se no mercado.
  • Interação com o seu público-alvo – Criar uma relação com o público-alvo é sem dúvida imprescindível e lançar uns artigos no blog não chega, afinal o objetivo da startup é vender e para isso é necessário que se realize algum contacto com o seu cliente. Neste sentido, um assistente virtual pode receber e efetuar chamadas telefónicas, gerir a caixa de correio eletrónico, fazer follow-up aos potenciais clientes e responder às suas questões e comentários que chegam via redes sociais ou através de alguma plataforma ou landing page. 
  • Dinamização de redes sociais – A maioria dos negócios encontram-se hoje em dia online, isto é, com presença na internet, em especial nas redes sociais. Construir uma presença online, que transmita a personalidade da marca ou empresa é por isso uma tarefa que requer dedicação. Um assistente virtual pode ajudar a dinamizar estas redes, criando gráficos adequados, revendo o texto dos posts a publicar e gerindo as publicações e interações nas redes sociais.
  • Gestão de despesas e receitas – Um assistente virtual não é nem dispensa, à partida, a consulta de um contabilista, contudo pode ajudar a organizar todas as informações respeitantes às despesas e receitas da atividade.

Em suma, um assistente virtual pode ajudar a fazer a gestão de diversos aspetos fundamentais ao arranque e bom funcionamento de uma startup. 

Outra grande vantagem é a flexibilidade no modo de contratação de um assistente virtual: o empreendedor pode procurar um assistente virtual com as competências necessárias para o desenvolvimento das tarefas que pretende delegar e apenas pelo número de horas que realmente necessita, não havendo necessariamente uma obrigação mensal para com este profissional. 

Para o assistente virtual, trabalhar com uma startup representa a oportunidade de fazer parte de um projeto novo (e geralmente ambicioso), em que o apoio necessário é muitas vezes em diferentes frentes (administrativo, comercial, logístico, etc), permitindo desenvolver uma série de competências e adquirir conhecimento em certas áreas de negócio. 

E, se tens um potencial cliente que está em dúvida se um assistente virtual pode ou não ser uma solução viável para o seu negócio, questiona-o: será que ele sabe o que faria se o seu mês tivesse mais 10 ou 20 horas?