3 coisas que precisas de saber antes de te tornares Assistente Virtual

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Este é o artigo que eu gostava de ter lido antes de me tornar Assistente Virtual.

A Assistência Virtual, para mim, não é só uma forma de trabalho em regime de freelancer.  Ser Assistente Virtual é uma forma de ter o meu negócio e, de certa forma, de empreender e apoiar outros a empreender.

Quando se fala em Assistência Virtual há sempre, quase que inevitavelmente, uma ligação ao trabalho administrativo e ao secretariado, no entanto gostava de dizer que esta actividade é (ou pelo menos, pode ser!) muito mais do que isso.

Há Assistentes Virtuais que fazem trabalho administrativo e que pode ser generalista. E há Assistentes Virtuais que executam trabalho mais técnico ou especializado nas mais diversas áreas.

Tenho uma mentalidade empreendedora e a Assistência Virtual é um canal para expressar esta minha forma de estar. Trabalho com os meus clientes para que eles possam alcançar os seus objectivos, ajudando-os a concretizar tarefas essenciais à materialização da visão que têm para os seus negócios.

Muitas vezes chegam até mim sabendo apenas que precisam de ajuda e ao longo de uma conversa é que começamos a perceber o que é que podem delegar e no que poderei eu ser útil.

Antes de começar, tudo me assustava: a concorrência, apresentar os meus serviços, encontrar clientes, manter clientes, apresentar preços… Neste momento, apenas posso dizer que tenho tido muito boas experiências e que me tornei parceira dos meus clientes.

1. Trabalha com o teu cliente e não para o teu cliente

Este foi um tema abordado recentemente comigo, e lembrei-me de o incluir neste artigo pois faz-me todo o sentido.

Eu tenho uma relação bastante próxima com os meus clientes. Alguns acompanham-me desde que me tornei Assistente Virtual e, por isso, também eles apoiaram o meu negócio. Ouviram-me, deram-me uma oportunidade e ajudaram-me a aprender e a ganhar confiança. Em retorno, tive oportunidade de saber mais sobre os seus negócios, sobre as suas estratégias e, quando pertinente, tive espaço para dar as minhas opiniões.

A manutenção destas relações de abertura e proximidade são importantes para mim. Digo, mesmo, que é assim que para mim faz sentido trabalhar. Gosto de os ajudar, gosto de sentir que acrescento algo e gosto que eles me façam crescer também – com conhecimento e desafios para que me possa expandir e saír da minha zona de conforto.

Não me canso de dizer isto a quem começa pois a associação da Assistência Virtual ao trabalho Administrativo é grande e há ainda a ideia algo enraizada que trabalhamos para os nossos clientes.

Não posso discordar mais – executo tarefas ou projectos a pedido dos meus clientes para os seus negócios mas trabalho com eles! Somos uma equipa.

Talvez ache que é importante mencionar isto pois no início se calhar eu tinha esta ideia de que ia trabalhar para eles. Mas não é assim. Mesmo no meu caso, que embora tenha clientes recorrentes, trabalho por projecto, sinto que faço parte do todo.

2. Sê tu mesmo

Mantém-te fiel a ti, à tua essência. Vais fazer este trabalho para ti e por ti, por isso faz o que gostas e que sabes fazer bem.

Não aceites trabalho só porque sim, mas porque faz sentido para ti. Eu gosto de aceitar trabalho que vá de encontro ao que gosto e me dá prazer fazer, porque vou aprender ou desenvolver alguma competência.

De acordo com Seth Godin, há tribos em todo o lado. Ele fala neste conceito associado à liderança (e ao marketing) mas aqui falo nele aplicado à gestão do nosso negócio, nomeadamente à nossa conexão com os nossos clientes – esta conexão é algo bilateral. Nós como tribo do nosso cliente e vice-versa.

A ideia que o autor transmite é: se tens paixão pelo que fazes e o desejo de fazer acontecer, há de certeza uma tribo à tua espera, à espera de se conectar contigo. Todos temos os nossos semelhantes, que se juntam a nós (e a quem nos juntamos!) porque se identificam connosco.

E isto acontece pela pessoa que és, pelos teus interesses, por aquilo em que acreditas, pela forma como comunicas e pelo que de semelhante tens com quem te relacionas e te conectas.

Sim, temos que encontrar clientes mas isto não significa abstrairmo-nos de quem somos e daquilo em que acreditamos. Se o fizermos, acredito que não o consigamos manter por muito tempo – exige-nos um grande esforço e frustra-nos. E isso não vai resultar.

3. Fala com outros Assistentes Virtuais

Este ponto é algo que nem sempre nos ocorre pois às vezes pensamos nas pessoas que fazem ‘o mesmo’ que nós – aqui, o mesmo está entre aspas propositadamente pois nem sempre fazemos ‘o mesmo’ ou da mesma maneira – como concorrentes.

E esquecemo-nos da maravilha que é a união de esforços e quão enriquecedora pode ser a partilha de experiências.

Foi isto que eu fiz quando estava a começar – porque alguém me disse para o fazer, pois a mim também não me ocorreu – e que me trouxe até à Marta.

O facto de ter feito isto, trouxe-me imensas coisas boas. Falei com alguém que já fazia o mesmo que eu queria fazer, com quem senti uma enorme afinidade e com quem passei a conversar. Esta relação acabou por me levar também à Maria e ao crescimento do que é hoje este projecto: A Academia de Assistentes Virtuais.

Experiência pessoal à parte, termos alguém com quem possamos conversar sobre os mesmos assuntos que nos interessam, sobre as frustrações do que nos acontece de menos bom e com quem partilhar alegrias e traz-nos um sentimento de pertença que faz falta quando tudo nos é desconhecido.

Admito que demorei algum tempo a escrever este artigo pois foi difícil decidir-me quanto ao que iria escrever. Claro que associadas a estas três coisas, acho essencial que te prepares, que leias e que invistas em ganhar mais conhecimento.

Eu demorei imenso até me sentir preparada pois não encontrei informação e formação que me satisfizesse e acabei por precisar de mais tempo do que o que seria expectável desde que comecei as minhas pesquisas até dar ‘o passo’ – foram cerca de 6 meses.

Foi um processo longo e solitário que não desejo a ninguém e por isso espero que este artigo, juntamente com outros que já temos publicados, possam ajudar-te no teu caminho!